Matheus Calegaro

(mais um) Blog sobre desenvolvimento e outras bobeiras.

Configurando o Ruby on Rails no Windows 10 WSL

Eu finalmente me rendi ao Windows 10 e suas features de invasão de privacidade bacanas. Um dos fatores da migração foi o tal do Windows Subsystem for Linux, que é uma camada de compatibilidade criada para rodar binários do Linux nativamente no Windows, sem a necessidade de máquinas virtuais (adeus VirtualBox Vagrant) ou dual-boot (adeus GRUB).

Uma das primeiras coisas que fiz depois de ativar e instalar o WSL foi tentar rodar o meu tão querido Rails. Depois de uns tropeços, (acho que) encontrei a fórmula de como configurar esse bicho. Let’s get into it!

1. Atualize o Windows para o Creators Update (versão 1703)

Este passo é muito importante, pois nas versões anteriores do sistema o WSL ainda estava muito bugado e sem suporte à algumas libs importantes para o funcionamento correto do Rails (e de outras ferramentas as well) como a libinotify. Além disso, você mantêm seu Windows atualizado e com os últimos patches de segurança (supostamente).

Para realizar a atualização, eu recomendo utilizar o Media Creation Tool para obter a imagem ISO do sistema e realizar o procedimento.

2. Instalando o Ubuntu 16.04

Se você já tinha o WSL instalado antes de atualizar para a Creators Update, você precisará reinstalá-lo para obter a versão mais recente do Ubuntu. Para isso, você deve abrir o CMD e digitar o seguinte comando:

lxrun /uninstall /full

Após o comando acimar terminar de ser executado, digite bash no mesmo Prompt para reinstalar o Ubuntu. Ao concluir, você pode verificar se tudo correu bem com o comando lsb_release -a.

Resultado do comando lsb_release -a

Este post está xenial ~ba dum tss~

3. Instalando o Ruby

Ok, estamos com os sistemas atualizados, agora precisamos do Ruby para continuar a brincadeira. Vamos utilizar a PPA da BrightBox para obter a versão mais atual da linguagem. Se você tem a necessidade de ter múltiplas versões do Ruby à sua disposição, então considere usar o RVM - Ruby Version Manager.

Para configurar o repositório e instalar o Ruby, faça:

# Configure a PPA
sudo add-apt-repository ppa:brightbox/ruby-ng
# Atualize a lsita de pacotes locais
sudo apt update
# Instale o Ruby
sudo apt install ruby2.4 ruby2.4-dev
# Aproveite para instalar também algumas ferramentas importantes para compilação de extensões nativas
sudo apt install build-essential
# Instale também o sqlite, caso ainda não tenha instalado
sudo apt install libsqlite3-dev

Verifique se está tudo sob controle com o comando ruby -v e gem -v: Resultado dos comandos ruby -v e gem -v

Se os comandos acima retornarem suas respectivas versões, você está no caminho certo! Agora precisamos instalar o Bundler, que é o gerenciador de gems dos nossos projetos Ruby.

sudo gem install bundler

Também recomendo desativar o parse das documentações Ri e RDoc. Veja aqui como fazer isso.

4. Instalando o Rails

Finalmente! Para instalar o Rails, basta:

sudo gem install rails

5. Testando

Vamos criar uma aplicação de teste para ver se está tudo funcionando como esperado:

# Navegamos para a home
cd
# Iniciamos um novo projeto Rails
rails new testando
# Ao finalizar o 'bundle install', navegue até a pasta do projeto
cd testando
# Rode o servidor
rails s

Acessando localhost:3000 no browser, temos o seguinte resultado:

You're on Rails!

Se você instalou o build-essential na etapa 3, provavelmente não acontecerá nenhum erro aqui. Quando tentei pelas primeiras vezes, a instalação do Rails sempre agarrava na hora de realzar o build de uma gem chamada ‘nokogiri’, mas logo depois me lembrei do build-essential e toda sua glória, compiladores da linguagem C e outras parafernalhas de baixo nível.

Bônus: instalando o MySQL

Caso queira usar o MySQL com o seu projeto Rails, instale-o com os seguintes comandos:

sudo apt install mysql-server mysql-client libmysqlclient-dev

Para criar um projeto rails com MySQL, basta executar rails new nome-do-projeto -d mysql.

Espero ter ajudado. Eu preciso dormir.

Comentários